A RELAÇÃO TERAPÊUTICA DE ENFERMEIRO E CLIENTE OU FAMÍLIA NOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE CIRURGIA, HOSPITAL NACIONAL GUIDO VALADARES DILI TIMOR-LESTE, (2023).

Research Article


Abstract views: 80 / PDF downloads: 24

Authors

  • Eduardo Crisógono Gaio

DOI:

https://doi.org/10.58372/2835-6276.1105

Keywords:

Relação Terapêutica, Enfermeiro/a, Cliente e Família

Abstract

Introdução: A relação terapêutica é uma ligação de ajuda que é estabelecida em benefício do cliente, enquanto as relações clientes/ familiares e amigos visam a satisfação ou contentamento de necessidades mútuas. O enfermeiro ajuda as pessoas/clientes que procuram ajuda ou apoio, assim a relação de ligação a terapêutica é pessoal, centrada no constituinte e dirigida para a concretização com estudo realizado, no campo de pesquisa em HNGV Dili.

Objetivo: Analisar a opinião dos clientes sobre a relação terapêutica entre enfermeiro/cliente/família no serviço de cirurgia do Hospital Nacional Guido Valadares, Dili Timor-Leste.

Metodologia: Nosso estudo optámos ou selecionamos  por uma pesquisa exploratória, descritiva de abordagem quantitativa. Os dados foram obtidos através da aplicação questionário, amostra e 30 clientes internados nas enfermarias de cirurgia homens e mulheres. Utilizar a técnica de amostragem, probabilística e por amostragem conveniência ou apropriação, também chamada acidental ou eventual na metodologia de esquadrinhamento. 

Resultados: Podemos salientar ou evidenciar pela análise dos resultados da investigação que os clientes consideram que os enfermeiros cumprimentam quando entram na sala (90%), explicam também todas as indicações para alta (83.34%), e na preparação da alta explicam os cuidados a ter tanto ao cliente como à família (100%). No entanto, apenas (36,67%) clientes referiram que o enfermeiro questiona o cliente sobre as suas queixas e nem sempre mostrou disponibilidade para informar família (60%), de acordo com o resultado de pesquisa.

Conclusão:  Os clientes internados no serviço de cirurgia, expressam uma opinião positiva sobre a relação terapêutica enfermeiro/cliente/família, havendo, contudo, alguns aspetos que merecem atenção, como informar os clientes acerca das contra indicações da medicação e questionar o cliente sobre as suas queixas na prestação dos cuidados inerentes ou próprias no processo de cirúrgico, com boa qualidade de atendimento no Hospital Nacional Guido Valadares Díli citado por (Tilman CB & Gaio E.C., 2023).

References

Petter, P. (2005) Fundamentos de Enfermagem. 5ª edição, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Tilman CB. et al. (2020). The Perception of Population and Health Professionals regarding the National immunization Program of Timor-Leste. Health Systems and Policy Research, ISSN 2254-9137 Vol.7 No.1:2 2020. www.imedpub.com published date may 11, 2020.

Tilman CB. et al. (2022). The Leadership of The Head Nurse and The Motivation of Nurses in The Pediatric Service of The National Hospital Guido Valadares Dili Timor-Leste, Nursing Primary Care, 2022; 6(4): 1-7, https://www.seivision.com

American Nurses Association (2006) Standards of clinical nursing practice, Kansas City. Mo. The American Nurses Association.

Smeltzer, C., Bare, G. (2010). Tratado de Enfermagem Médico – Cirúrgica.8ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Braga, R. (2013). A relação terapêutica. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar. 29 (3): 146-147.

Tilman CB et al. (2022). Stress in Practical Teaching of Nursing Students at the National University Timor Lorosae. Nursing Primary Care, 2022; 6(4): 1-6, https://www.seivision.com

Pontes A., Leitão, I., Ramos, I. (2008). Comunicação terapêutica em Enfermagem: instrumento essencial do cuidado. Revista Brasileira de Enfermagem, 61 (3), 312 – 318.

Mão de Ferro, A. (2009). Na Rota da Pedagogia. Lisboa: Edições Colibri.

Peplau, H, (2005), Interpersonal relations in nursing, New York: McGraw- Hill.

Lucena, A. O de Gois, M. (2009). O processo de comunicação no cuidado do cliente submetido ao ecostress: algumas reflexões. Rabucha Enferm., 20, (n. ESP), 37-48.

Pereira, P., Botelho, M. (2014). Qualidades Pessoais do Enfermeiro na Relação Terapêutica em Saúde Mental. Pensar Enfermagem, 18 (2), 61 - 73.

Rilhe, J. (2004). Comunicação em Enfermagem. 4º ed. Loures: Lusociência, Edições Técnicas e Científicas Lda.

Cabanal, L. (2011). Interrelaciona dele Professional de Enfermaria com el Paciente. Barcelona: Adiciones Doma.

Sequira C. (2014). Comunicação terapêutica em saúde mental. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental. (12), 6-8.

Silva, W., Napata, S. (2005). Comunicação: uma necessidade percebida no período pré-operatório de pacientes cirúrgicos. Revista Brasileira de Enfermagem, 58(6), 673-676.

Raera, A., & Braga, E. (2011). A importância da comunicação durante o período de recuperação pós-operatória. Rev. Esc. Enferm. da USP,45 (3), 632-637.

Morales, C., Alexandre, J., Prim, S., Amante, L. (2014). Preoperative communication from the perspective of patients undergoing bariatric Surgery. Texto & Contexto Enfermagem, 23(2), 347-355.

Cavalcanti, A., Coelho, M. (2007). A linguagem como ferramenta do cuidado do enfermeiro em cirurgia cardíaca. Esc.Anna Nery Rev. Enferm.,11(2), 220-226.

Fortin, M. (2009). O Processo de Investigação. 4ªed. Loures: Lusociência, Edições Técnicas e Científicas Lda.

Lopes, M. (2005), Os clientes e os enfermeiros: construção de uma relação. Rev.Esc.Enferm.USP,39(2):220-8.

Stefanelli, M. (2013). Comunicação com o paciente: teoria e ensino.2. ed. São Paulo: Robe.

Verona B., Blender M. (2008) Enfermagem fundamental, Lisboa: Lusodidacta.

Downloads

Published

2023-11-25

How to Cite

Eduardo Crisógono Gaio. (2023). A RELAÇÃO TERAPÊUTICA DE ENFERMEIRO E CLIENTE OU FAMÍLIA NOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM NUM SERVIÇO DE CIRURGIA, HOSPITAL NACIONAL GUIDO VALADARES DILI TIMOR-LESTE, (2023). : Research Article. American Journal of Medical and Clinical Research & Reviews, 2(12), 1–10. https://doi.org/10.58372/2835-6276.1105

Issue

Section

Articles